Menu Filtro

Uma “PAUSA” as vezes é necessária

Como lidamos com aqueles momentos em que precisamos parar ou apenas diminuir nossa rotina de treinos, seja qual for o motivo?

Pois bem, nós praticantes amadores temos o esporte muitas vezes como uma válvula de escape de nossas rotinas diárias e com um grau de importância em nossas vidas muito grande.

Alguns por lazer, outros por rendimento, estética, ou qualquer que seja o motivo da atividade esportiva, muito deixam de lado o principal e mais importante fator que é a nossa saúde e a capacidade que a atividade física organizada tem de mantê-la e melhorá-la.

E quando precisamos interromper esta prática esportiva, fica uma lacuna, uma falta das sensações boas em nosso corpo e mente, um tempo ocioso que queremos a todo custo preencher e ocupar. E neste anseio de retomar a atividade que nos faz tanto bem, ignoramos os processos necessários para uma retomada segura e eficiente.

Seja por lesão ou outro fator que tenha nos feito parar com a rotina de treinos, independente da modalidade que praticamos, é necessário um tempo igual ou maior para que possamos obter de volta o mesmo nível de condicionamento que estávamos no momento da parada, e isso é o que nos fará ter sucesso e manter o retorno.

Dando um exemplo real da situação:

Eu acabei (7 dias) de fazer um procedimento de retirada de varizes nas duas pernas, procedimento relativamente simples, mas que requer alguns cuidados importantes tanto para minha saúde quanto para o meu retorno aos treinos e a rotina que tanto me faz bem.

A mesma disciplina que temos para os treinos é preciso para cuidar de lesões e todo processo para o retorno aos treinos. Uma boa fisioterapia, repouso e as orientações dadas pelas profissionais de cada área devem ser seguidas. Com isso garantimos um retorno sólido e com menor risco de uma nova parada pelos mesmos motivos.

Já escutei de muitos clientes e praticantes de atividades físicas que não param nunca, não tratam e acabam tendo afastamentos mais constantes e agravamento do quadro lesivo, pois se tornam lesões crônicas.

Além disso muitos “atletas” insistem em não fazer um trabalho de base, que se resume a deixar o corpo forte e funcional para a rotina de treinos, então se não gostas de fazer nada além de correr, pedalar, nadar, jogar futebol, sem uma base física forte, sinto em lhe informar, mas sua vida ativa nesta e em outras modalidades está comprometida.

Recebo muitos clientes indicados por ortopedistas, que em sua maioria tem o mesmo relato – Vivo me machucando e não melhoro da minha lesão ou lesões.

Em resumo, quanto melhor a nossa BASE , mais seguro estamos frente a lesões. Um corpo funcional, que quer dizer com força, mobilidade e estabilidade, se torna mais eficiente nos gestos esportivos específicos e mais inteligente na economia de energia durante sua prática.

Então e decisão é sua.

Bons treinos.

There are no responses so far.

Fábio Alonso (Tchê)

Fábio Alonso (Tchê)

Fabio Moralles Alonso, mais conhecido por Tchê, é fundador, coordenador geral e técnico da Trainer Assessoria desde 2003. Corredor que curte aventuras que vão da ultramaratona a desafios como o Km Social, onde percorreu 1100 km em 21 dias em prol de um projeto social. Idealizador da PACE RUN, primeiro circuito de corridas com categorias por pace (sem sexo ou idade) e sócio da Indomit no Paraná. Apoiado pela Camelbak.

Patrocínio

Apoio